Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 2 de maio de 2010

Entrevista muito boa e esclarecedora com Hugo Chavez, na Folha

Chavez, Lula e Evo Morales

Em entrevista concedida ao repórter da Folha na Embaixada da Venezuela, em Brasília, na última quarta-feira, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, relembrou a sua infância, se revelou um homem crente e contou que o momento mais difícil da sua vida foi o dia em que participou de uma rebelião contra o governo venezuelano, em 1992, e teve de deixar a família para trás --acabaria preso por dois anos.

Amante do beisebol, esporte preferido dos venezuelanos, o presidente revela que torcerá para o Brasil na Copa do Mundo da África do Sul.

A íntegra da entrevista, dada ao programa "É Notícia", da RedeTV!, vai ar nesta noite às 0h15.

A infância

"Ah, as lembranças estão aqui na alma. Sabaneta [onde nasceu] é uma cidadezinha rural, hoje é um pouco maior. Era uma vila, e eu nasci numa casa com teto de palma, as paredes de barro, o piso de terra. No meio do inverno, enquanto caía um pé d'água, segundo a minha mãe. De madrugada, ao amanhecer, em 28 de julho de 1954. À beira de um rio, o rio Boconó, que desce da montanha. Sabaneta está na planície, na Grande Planície Venezuelana, mas fica ao pé da montanha."

"Vivi lá durante 12 anos, uma infância que foi muito feliz. Se tivesse que nascer de novo, pediria ao bom Deus para me mandar para o mesmo lugar. Fui uma criança feliz: cantava, pintava, trabalhava, éramos trabalhadores rurais."

A avó

"Ela era a mãe do meu pai, e tanto a minha mãe quanto o meu pai eram professores no meio do mato, numa vila que não tinha nem os mínimos serviços. Então, minha mãe nos deixou na casa da minha avó e ficamos lá, ela criou a gente. Rosa Inés. Ela era uma mulher maravilhosa. Nos ensinou a conhecer a vida, a amar, a amar a natureza, a trabalhar, a sermos responsáveis. Por exemplo, foi ela quem me ensinou a ler e escrever. Ela me ensinou a vida."

A minha avó tinha um amor infinito pelos outros, uma solidariedade infinita para com os outros, e também para com aqueles que mais sofrem, os mais pobres. Eu até fui coroinha! Quando era criança, ficava na igreja espalhando o incenso, tocando os sinos da igreja. Minha mãe é muito católica, muito mais do que a minha avó, embora minha avó também fosse católica. Mas minha mãe é mais praticante. Ela queria que eu fosse padre".

Santa de devoção

"A Virgem do Carmo. Eu carrego um escapulário dela no peito, que tem mais de 150 anos em batalhas. Era do meu tataravô guerreiro, que foi um coronel revolucionário lá por volta de 1858. Depois foi levado pelo avô de minha mãe, um general venezuelano rebelde, nas guerrilhas contra a ditadura de 100 anos atrás. Então eu a levo aqui, é a Virgem do Carmo, a Virgem dos guerreiros."

Comida em viagens

"Não só por motivos de segurança [leva a própria comida nas viagens internacionais]. Além disso, é uma dieta. É preparada segundo um controle médico, com as proteínas e as calorias reguladas. Mas também por motivos de segurança."

Exército

"Só entrei no Exército porque pensava passar ali apenas um ano ou dois e depois ficar em Caracas, porque éramos muito pobres, e o meu pai não podia pagar para eu estudar em Caracas. Eu queria ir para Caracas para jogar beisebol profissionalmente, esse era o meu sonho da adolescência. Fiz meus planos: vou entrar no Exército, passo um ou dois anos lá, e depois fico em Caracas. Mas gostei do Exército, gostei da escola militar, da academia militar, me senti na minha própria essência, senti que seguia a minha vocação de soldado, de soldado patriota, é claro."

Momento mais difícil antes do poder

"Antes de 1998? Houve momentos difíceis, mas o mais difícil foi, e eu ainda sinto uma dor aqui quando falo nisso... Uma vez eu disse para alguém muito querido da minha família: eu acho que, se depois de ter sido sepultado passassem cinco séculos e alguém abrisse o meu caixão e visse o meu cadáver, talvez a ferida ainda estivesse ali, latejando. É muito difícil deixar a família, deixar os filhos, uma menina de 12 anos, outra de 11, um menino de 8, uma mulher a qual eu amava, a mãe dos meus três filhos, e um lar muito humilde. Uma madrugada, quando fomos para a rebelião, eu senti que estava indo embora fisicamente, mas que o meu coração era arrancado e ficava naquelas três caminhas, naquele quartinho e naquela casa humilde. Foi muito difícil, e doeu muito."

"Sim, era como uma morte. Alguém disse que a gente morre várias vezes e depois vive. Para mim, aquela noite foi uma espécie de morte, e depois, nada foi igual."

Golpe de 1992

"Não, nunca [demos um golpe]. Nós somos revolucionários. A nossa rebelião não poderá ser entendida se não for contextualizada e se o observador ou o analista não perceber que, apenas três anos antes, houve um massacre na Venezuela promovido pelo mesmo Exército [o chamado Caracazo], no qual morreram milhares de pessoas, inclusive crianças, idosos, para defender um governo tirânico, democraticamente eleito, mas que estava aplicando as políticas de choque do Fundo Monetário Internacional num país cheio de riqueza e de petróleo, que alcançou 70% de pobreza e 25% de miséria, de pobreza extrema. Nesse contexto pré-revolucionário ocorreu a revolução popular de 1989 e, depois, a revolução militar da juventude em 1992. Ou seja, isso não foi um golpe de Estado, foi muito diferente de tudo que aconteceu na América Latina. Nós somos antigolpistas, anti-imperialistas, somos revolucionários."

A prisão

"A prisão foi uma escola, na verdade. Foi um forno. Abençoado o dia em que fomos para aquela prisão, porque lá amadurecemos, analisamos as ideias, analisamos e amadurecemos o espírito, endurecemos a alma. Dois anos depois, quando saímos à rua, graças à pressão popular e ao apoio popular, saímos sabendo claramente para onde íamos, com passo firme e já amadurecidos, e com o rumo muito mais claro. Aquela prisão foi uma escola e uma forja. Mais do que uma prisão, eu nunca sofri por ela, na verdade. Eu nunca sofri na prisão, apenas na parte familiar, de novo a parte familiar. Mas, do ponto de vista político, como soldado revolucionário, a prisão foi um passo necessário para esta longa batalha."

Copa da África do Sul

"Eu sempre torci pelo Brasil. Não estou dizendo isso porque estou no Brasil, é desde a minha infância. Eu gosto muito de beisebol, essa é a minha paixão, mas o futebol vem depois. Sempre, desde os dias do rei Pelé, depois pela Venezuela, agora que o futebol ressuscitou no país. Eu disse para o Lula hoje, que me deu de presente a camisa do Brasil com o número 6, do Roberto Carlos, assinada pela seleção, eu disse a ele: bom, Lula, o Brasil deu sorte que a Venezuela não se classificou para a África do Sul, mas na próxima Copa vamos nos classificar. Mas eu sempre, sempre torço pelo Brasil. Sempre vou com essa camisa verde e amarela."

Fonte:
Folha de São Paulo

Comentários:
Hugo Chavez é um grande aliado do Brasil e de toda a América Latina. Não faz sentido acusá-lo de golpista, já que a população de seu país democraticamente aprova seu mandato e o reelege. Cada país é soberano para adotar o modelo eletivo que quiser, assim como sua população é livre para corrobá-lo. Chavez implantou diversas políticas públicas de transferência de renda e de redução de pobreza, o que certamente irrita a direita em seu país e a imprensa de outros países, como aqui no Brasil vemos ataques descabidos a ele e seu governo.

Recomendo o documentário "War on Democracy" (Guerra à democracia), de 2007:
O documentário centra-se na intromissão dos EUA nos assuntos políticos da América Latina. Descreve a participação da CIA nos golpes de estado contra Jacobo Arbenz na Guatemala e Salvador Allende no Chile. Também aborda o tema da situação econômica no Chile depois da ditadura de Augusto Pinochet e a ascensão de Evo Morales na Bolívia, com excelentes depoimentos de Chavez.


The War on Democracy 2007 legendado from olho.cósmico on Vimeo.

3 comentários:

Athena disse...

Concordo com o seu comentário. Acho que o problema é a direita ter dificuldade em aceitar a subida ao poder de alguém de esquerda, eleito democraticamente. E servem-se de tudo para descredibilizar a figura de Chavez.
Acho que isso já tão banal, que já nem ligo (por aqui,sempre que leio algo que acontece em países com governos de esquerda, é mto raro que sejam imparciais e isentos).
Quando tiver um tempinho, quero ver o documentário, parece ser mto interessante. Vou passar para o meu blogue

Stefano disse...

e mais.... Folha, Veja, Globo se portam como papagaios destes "democratas"...

Stefano disse...

Aleluia!!(religious mode on)
A folha (aliada do imperialismo) deu espaço a Chávez!!

Athena, a direita brasileira não passa de 5ª coluna do imperialismo.... ela prefere o país.... e até a Am. do Sul e Central nas mãos dos EUA do que governada pela esquerda....
a direita da Am. Central e do Sul tem forte histórico de 5ª coluna e colaboracionismo.