Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 30 de abril de 2013

Resenha do filme "Homem de Ferro 3"




Cinco anos após da estreia de Homem de Ferro, Tony Stark (Robert Downey Jr.)  volta mais pragmático do que nunca, misturando seus diálogos hilários com Jarvis, sua personalidade forte e muitas surpresas. Um ano após sua aventura com os Vingadores, Stark passa os dias criando novas armaduras e tecnologias, porém tendo constantes ataques de ansiedade, fruto dos traumas que passou nas batalhas em Nova York.


Paralelamente  a esta rotina, um terrorista chamado Mandarim (Bem Kingsley), bastante parecido com Osama Bin Laden, comete vários ataques com explosões e invade as transmissões de TV. Em um destes atentados, um segurança de Stark, Happy Hogan (Favreau) é atingido, o que faz Tony desafiar o vilão a atacá-lo em sua própria casa, o que não foi uma boa ideia. Há um vilão digamos "oculto" na história, e é bom que você preste atenção desde o começo para saber quem é!



Sua mansão é destruída e o Homem de Ferro precisa passar por muitos tormentos com sua combalida armadura Mark 42, para descobrir quem realmente está por trás dos ataques e salvar sua querida Pepper Pots ( Gwyneth Paltrow), que acaba sendo sequestrada. Como sempre, Stan Lee aparece no filme (como ele faz em todos os da Marvel), em uma cena rápida, porém engraçada.


James Rhodes, o Patriota de Ferro (Don Cheadle) aparece menos na história, o que causa decepção em alguns fãs.  Alguns vilões parecem ter saído de algum filme dos X-men, como quando possuem alguns poderes de fogo.
A película tem  um forte aspecto político, com Mandarim fazendo duras críticas às políticas belicistas dos Estados Unidos, além do descaso do presidente dos EUA  com vazamentos de petróleo e a criação de lobbies para favorecer algumas empresas.  O filme possui várias surpresas e  uma trama muito bem costurada.

A trilha sonora continua grandiosa, mas os efeitos 3D não fazem muita diferença.
Com tudo isto, o filme vale o ingresso.

Trailer:

Um comentário:

william gomes disse...

é o filme não é muito surpreendente não, mas agrada e vale o ingresso.