Pesquisar este blog

quinta-feira, 4 de abril de 2013

Feliciano constrange a mãe




O pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), 40, na foto, criou uma situação de constrangimento a sua própria mãe, Lúcia Maria Feliciano (foto), 69, ao tornar público que ela há cerca de 40 anos fazia abortos clandestinos. Prática da qual ela hoje se arrepende.

Feliciano é contra o aborto, mesmo nos casos autorizados pela lei, quando a gestação decorre de estupro.

Ao falar sobre o assunto em uma entrevista para o UOL, ele contou que a sua mãe tinha uma clínica em Orlândia, cidade paulista onde ela mora até hoje, a 365 km da capital.

Feliciano é autor de afirmações tidas como homofóbicas e racistas, o que ele nega com o argumento de que se orienta pela Bíblia. Ele assumiu em março a presidência da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias da Câmara. Apesar de fortes pressões de ativistas e de parlamentares, ele tem resistido. Disse que só deixará o cargo se morrer.

Na entrevista ao UOL, Feliciano afirmou que, na clínica de sua mãe, viu “fetos serem arrancados de dentro de mulheres”.

Lúcia Maria disse a Juliana Coissi, da Folha, que isso não é verdade, porque Feliciano não tem lembrança dessa época, já que ele era recém-nascido.

Além disso, falou, ela atendia mulheres apenas com gravidez inicial, com no máximo 20 dias de gestação, e “não tinha nada [fetos]”.

Lúcia Maria, que é negra, não quis comentar com a jornalista as afirmações polêmicas de Feliciano, entre as quais a de que o povo africano é amaldiçoado por Deus.

Contou que aos 17 anos se submeteu a um aborto e que Feliciano é seu filho único. Ela se tornou mãe solteira aos 20 anos e na época trabalhava como doméstica.

Afirmou que, diferentemente do que seu filho dissera na entrevista, ela nunca teve uma pequena clínica de abortos e que atendeu no máximo seis jovens grávidas, a pedido da mãe delas, e que nada cobrava. Falou que nenhuma das jovens sofreu complicação.

Lúcia Maria, que se tornou evangélica, está arrependida de ter feito os abortos e aguarda “o perdão de Deus”.

É a segunda vez que Feliciano envolve sua mãe no fogo cruzado de suas polêmicas, aparentemente sem o consentimento dela. Na primeira vez, ele publicou no Facebook uma foto onde ela aparece com marido, também negro, como se isso, para Feliciano, valesse como prova de que não é racista.




Paulopes

Nenhum comentário: